Os segredos do sexo

Os segredos do sexo

A manutenção da ilusão de plenitude, nem que seja só à flor da pele. Mas também o reverso da medalha: o modo como se vive a sexualidade espelha facetas nossas que teimamos em não ver; a urgência, o desespero e a fúria com que se conduz a vida, um sentimento de si frágil, o medo de ser rejeitado e a incapacidade de ter intimidade são trazidos à luz da consciência quando estamos corpo a corpo ou em contacto com o nosso corpo. A nossa libido, que tem o poder de pôr a nu o que está para além da pele e nos convida a mergulhar nos nossos segredos mais profundos.

Viver desconectado dessa parte selvagem, que nem todos conseguem transformar e transcender, pode estar na base da maior parte dos complexos e disfunções sexuais. Um estudo da Sociedade Portuguesa de Andrologia mostrou que oito em 100 mulheres simulam orgasmos, mais de 30 por cento queixa-se de falta de desejo.“As mulheres com problemas sexuais apresentam mais pensamentos de fracasso e desistência, associados a desilusão, culpa, irritação e insatisfação.” A conclusão é do psicólogo Pedro Nobre. No seu livro "Disfunções Sexuais: Teoria, Investigação e Tratamento", que também inclui os problemas masculinos, salienta a importância que as variáveis psicológicas têm no funcionamento sexual. Ou seja, o sexo é o que dele (ou a partir dele) fazemos. E nem sempre vamos longe. A ausência de uma vida sexual activa (a solo ou com companhia) é incorrecta – ela é receitada pelos médicos para a saúde como a pasta dentífrica para a higiene oral.

O filósofo francês Pascal Bruckner surpreendeu com a ficção "O Amor ao Próximo", que propõe uma tese inédita: em última análise, e por mais amoral que pareça, o sexo pode ter uma função redentora e sagrada. Ele vai ao encontro das mais recentes pesquisas sobre a química da paixão, que apontam o amor como o grande afrodisíaco, que ultrapassa a simples atracção física. Aos poucos, a nossa libido começa a ser vista com outras lentes, outros significados e funções, que nem sequer têm de começar ou acabar… na cama.

Teste a sua libido

Responda “sim” ou “não” às seguintes questões:

1. Costuma apreciar o seu corpo e explorá-lo quando está sozinha e tem vontade?

2.Tem fantasias sexuais (e partilha-as com o parceiro)?

3. A vontade de ter prazer só acontece quando é incentivada por alguém

4. Costuma ter sonhos eróticos?

5. Mimar-se com um bom prato, um banho de sais ou uma massagem faz parte das suas rotinas de vida?

6. É frequente sentir-se sem disposição para actividades físicas?

7. Certos cheiros, músicas, trechos de livros ou cenas de filmes eróticos conseguem excitá-la?

8.Fica constrangida quando se despe diante do parceiro?

9.Recordar um momento sensual (ou sexual) desperta em si alterações fisiológicas (ritmo cardíaco, respiração, transpiração, arrepios)?

10.Tem dificuldade em viver com o seu lado animal (agressividade, desejo de dominar, medo)?

Pontuação

Marque 1 nas respostas “sim” e 0 nas respostas “não” (excepto nas perguntas 3, 6 e 10, em que deve marcar 1 para as respostas “não”). Descubra o resultado.

De 9 a 10 pontos – Libido Forte. É uma força da natureza, aceita o seu lado selvagem. Esta energia vital (qb) é um excelente tónico para a saúde física, emocional e espiritual. Conselho: nem tudo o que se sente tem de ser consumado de forma instintiva. O segredo está em usar o seu fogo em diversos contextos, noutras actividades tão ou mais criativas do que o sexo.

De 6 a 8 – Libido Consistente. Sabe aquilo que a faz vibrar e pode dizer-se que está viva. O lado belo e espontâneo da vida é algo que cultiva para estar bem na sua pele, nas situações mais comuns. Instinto e razão estão em sintonia, o que a torna capaz de gerir satisfatoriamente a sua energia, estando sozinha ou acompanhada.

De 3 a 5 – Libido Flutuante. Ser “menina boazinha” tem custos. Um deles, descompensar às vezes é o preço por se esquecer da “outra mulher”: assumida e sabida. Se lhe der mais atenção, a sua saúde agradece, pois o que fizer com satisfação funciona como uma vitamina para o seu estado de vitalidade.

De 0 a 2 – Libido Congelada. Tem um problema e não estamos só a falar de sexo. A atitude indiferente ou “adormecida” face à vida espelha uma carência ou desconhecimento profundo de si. O aconselhamento psicológico, o yoga podem ajudá-la a resgatar e viver essa força vulcânica que ainda desconhece (ou esqueceu que existe) dentro de si.

www.maxima.pt